Home Notícias Não É Verdade A verdade sobre a história da exploração do nióbio no Brasil

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Governo prepara incentivo para hotel e linha de crédito para turismo interno

Depois de um ano no cargo, o ministro do Turismo, Gastão Vieira, mudou o discurso inicial, revisou metas e relaxou medidas tomadas no começo de sua gestão para conter irregularidades com o uso do dinheiro público. O desafio, no entanto, continua o mesmo: ele quer despertar o interesse dos brasileiros em conhecer o próprio país e melhorar a qualificação dos trabalhadores.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 47 visitantes online
Banner
Banner
A verdade sobre a história da exploração do nióbio no Brasil PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Qua, 28 de Dezembro de 2011 12:37

- Você sabe onde fica a maior mina de Nióbio do Brasil e do mundo? Eu respondo! Ela fica em Minas Gerais, próximo de Araxá.

- Você sabe quem é o dono da mina? Não? Eu revelo! O proprietário dos direitos de lavra é o Governo do Estado de Minas Gerais, através da estatal CODEMIG.

- Você sabe quem explora este minério e o comercializa? Eu explico:

1 - É a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração - CBMM - do Grupo Moreira Salles, que extrai, processa, fabrica e comercializa produtos à base de nióbio. Uma Conta de Participação nos Lucros entre a estatal CODEMIG e a CBMM garante a exploração do depósito de nióbio de Araxá.

2 - O contrato concede 75% de participação nos lucros operacionais da CBMM ao Grupo Moreira Salles.

3 - Na verdade, a multinacional que está por trás do Grupo Moreira Salles e a quem o grupo serve, como "testa de ferro" no Brasil, desde os anos 50, é a multinacional norteamericana Molycorp, inc. A Molycorp domina o mercado mundial de terras raras

Muito importante

O Nióbio brasileiro ganhou notoriedade em 2010, quando documentos do governo norteamericano, vazados pelo Wikileaks, incluíram as minas de Araxá (MG) e Catalão (GO) no mapa de áreas estratégicas para os ,EUA, o que vem levando grupos nacionalistas a organizar o movimento "o nióbio é nosso", a exemplo do que foi feito com o petróleo no passado. Isso porque o Brasil é o maior produtor do mineral, com 96% da produção mundial, e daqui partem 80% do nióbio importado pelos EUA e 75% do Nióbio usado em todo o mundo.

Portanto, é o governo do PSDB de Minas Gerais quem entrega o nióbio brasileiro para os norteamericanos, como fizeram com todas as privatizações ou parcerias, em que meteram as mãos.

Dez/2011

Luiz Fernando Carceroni

Professor de Física

Belo Horizonte

=======================

Confira em: http://www.comig.com.br/site/content/parcerias/parcerias_detalhe.as...

MINERAÇÃO DE NIÓBIO - CBMM

Mineração de Nióbio, em Araxá

A Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) é o maior complexo mínero-industrial de nióbio de todo o mundo. A jazida de nióbio da Codemig está arrendada à empresa, por meio da Comipa, empresa criada para gerenciar jazidas de nióbio pertencentes às duas companhias.

O nióbio produzido em Araxá responde por 75% de toda a produção mundial. Sua produção anual é de 70 mil toneladas da liga de ferronióbio. O nióbio de Araxá tem reserva para ser explorado por mais de 400 anos.

A aplicação mais importante do nióbio é como elemento de liga para conferir melhoria de propriedades em produtos de aço, especialmente nos aços de alta resistência e baixa liga usados na fabricação de automóveis e de tubulações para transmissão de gás sob alta pressão. É utilizado, ainda, em superligas que operam a altas temperaturas, em turbinas de aeronaves a jato, entre outras finalidades. Existem somente três minas em todo o mundo.

Ampliação

R$250 milhões é o investimento previsto na ampliação do complexo industrial de Araxá, que vai preparar a CBMM para a produção de até 110 mil toneladas anuais de ferronióbio. O objetivo é atender o avanço da grande demanda mundial por aços de melhor qualidade e por nióbio.

Pela programação da CBMM, o aumento da produção de ferronióbio se dará em três etapas: salta para 75 mil toneladas anuais a partir do primeiro trimestre de 2008 e para 90 mil em 2009. Ao final da expansão de todo o complexo, a CBMM estará preparada para produzir até 110 mil toneladas por ano de ferronióbio.

Em 2006, as vendas externas mineiras de ferronióbio totalizaram US476,723 milhões, o equivalente a uma produção de 51.914 toneladas. A CBMM é uma empresa do Grupo Moreira Sales, fundada em 1955, e a totalidade de seu capital é nacional.

=======================

O email enviado,abaixo, relata inverdades e incorre em omissões muito graves.

-----Mensagem Original-----
De: sheila rosa
Para: undisclosed recipients:
Enviada em: sábado, 24 de dezembro de 2011 17:07
Assunto: Enc: Porque o POVO BR ASILEIRO NÃO SABE O QUE É NIÓBIO?

Não sabemos exatamente pelo mesmo motivo que o petróleo está sendo " dado " e não , tratado como estrat´gico, ou seja : o interesse e a pressão das multinacionais que compram a mídia e os políticos para serví-las !!!!!!!!!!!!

Triste !!!!!!

É HORA DE COMEÇAR A FAZER-MOS ALGO DE POSITIVO.....

POR QUE O POVO BRASILEIRO NÃO SABE O QUE É NIÓBIO?

Nióbio, o metal que só o Brasil fornece ao mundo. Uma riqueza que o povo brasileiro desconhece, e tudo fazem para que isso continue assim.

Como é possível o fato do Brasil ser o único fornecedor mundial de nióbio (98% das jazidas desse metal estão aqui), sem o qual não se fabricam turbinas, naves espaciais, aviões, mísseis, centrais elétricas e super aços; e seu preço para a venda, além de muito baixo, seja fixado pela Inglaterra, que não tem nióbio algum?

EUA, Europa e Japão são 100% dependentes do nióbio brasileiro. Como é possível em não havendo outro fornecedor, que nos sejam atribuídos apenas 55% dessa produção, e os 45% restantes saindo extra-oficialmente, não sendo assim computados.

Estamos perdendo cerca de14 bilhões de dólares anuais, e vendendo o nosso nióbio na mesma proporção como se a Opep vendesse a 1 dólar o barril de petróleo. Mas petróleo existe em outras fontes, e o nióbio só no Brasil; podendo ser uma outra moeda nossa. Não é uma descalabro alarmante?

O publicitário Marcos Valério, na CPI dos Correios, revelou na TV para todo o Brasil, dizendo: “O dinheiro do mensalão não é nada, o grosso do dinheiro vem do contrabando do nióbio”. E ainda: “O ministro José Dirceu estava negociando com bancos, uma mina de nióbio na Amazônia”.

Ninguém teve coragem de investigar… Ou estarão todos ganhando com isso? Soma-se a esse fato o que foi publicado na Folha de S. Paulo em 2002: “Lula ficou hospedado na casa do dono da CMN (produtora de nióbio) em Araxá-MG, cuja ONG financiou o programa Fome Zero”.

As maiores jazidas mundiais de nióbio estão em Roraima e Amazonas (São Gabriel da Cachoeira e Raposa – Serra do Sol), sendo esse o real motivo da demarcação contínua da reserva, sem a presença do povo brasileiro não-índio para a total liberdade das ONGs internacionais e mineradoras estrangeiras.

Há fortes indícios que a própria Funai esteja envolvida no contrabando do nióbio, usando índios para envio do minério à Guiana Inglesa, e dali aos EUA e Europa. A maior reserva de nióbio do mundo, a do Morro dos Seis Lagos, em São Gabriel da Cachoeira (AM), é conhecida desde os anos 80, mas o governo federal nunca a explorou oficialmente, deixando assim o contrabando fluir livremente, num acordo entre a presidência da República e os países consumidores, oficializando assim o roubo de divisas do Brasil.

Todos viram recentemente Lula em foto oficial, assentado em destaque, ao lado da rainha da Inglaterra. Nação que é a mais beneficiada com a demarcação em Roraima, e a maior intermediária na venda do nióbio brasileiro ao mundo todo. Pelo visto, sua alteza real Elizabeth II demonstra total gratidão para com nossos “traíras” a serviço da Coroa Britânica. Mas, no andar dessa carruagem, esse escândalo está por pouco para estourar, afinal, o segredo sobre o nióbio como moeda de troca, não está resistindo às pressões da mídia esclarecida e patriótica.

Cadê a OAB, o MFP, o Congresso Nacional?

O nióbio apresenta numerosas aplicações. É usado em alguns aços inoxidáveis e em outras ligas de metais não ferrosos. Estas ligas devido à resistência são geralmente usadas para a fabricação de tubos transportadores de água e petróleo a longas distâncias.

Usado em indústrias nucleares devido a sua baixa captura de nêutrons termais.

Usado em soldas elétricas.

Devido a sua coloração é utilizado, geralmente na forma de liga metálica, para a produção de jóias como, por exemplo, os piercings.

Quantidades apreciáveis de nióbio são utilizados em superligas para fabricação de componentes de motores de jatos , subconjuntos de foguetes , ou seja, equipamentos que necessitem altas resistências a combustão. Pesquisas avançadas com este metal foram utilizados no programa Gemini.

O nióbio está sendo avaliado como uma alternativa ao tântalo para a utilização em capacitores.

O nióbio se converte num supercondutor quando reduzido a temperaturas criogênicas. Na pressão atmosférica, tem a mais alta temperatura crítica entre os elementos supercondutores, 9,3 K. Além disso, é um dos três elementos supercondutores que são do tipo II ( os outros são o vanádio e o tecnécio ), significando que continuam sendo supercondutores quando submetidos a elevados campos magnéticos.

EM TEMPO;

Muitos que receberão este e-mail simplesmente dirão: o que eu tenho a ver com Nióbio? E esquecem de ver o LADO PODRE desta questão: gente do governo envolvida com desvios desse mineral e comendo por fora.

Gente graúda, lá da cabeceira do Governo Federal e órgãos como a FUNAI. Leia e repasse, vamos tentar acabar com mais essa fonte de roubalheira.

Fonte: Mensagem recebida por e-mail em 27/12/2011

 

 
 
Banner
Banner