Home Notícias Internacional Guiné-Bissau volta a normalidade após tentativa frustrada de Golpe de Estado

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Ceará receberá recursos para combater o crack

O estado do Ceará e a prefeitura de Fortaleza assinaram, na terça-feira (31/7), o termo de adesão ao programa do governo federal Crack, é possível vencer. Com o pacto, começam e são fortalecidas ações para aumentar a oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários drogas, para enfrentar o tráfico e as organizações criminosas e para ampliar atividades de prevenção. Serão investidos no estado R$ 111,7 milhões até 2014 – R$ 79,6 milhões do Ministério da Saúde, R$ 24,8 milhões, do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, e R$ 7,3 do Ministério da Justiça.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 72 visitantes e 2 membros online
  • MarinaGop
  • rwalervonc
Banner
Banner
Guiné-Bissau volta a normalidade após tentativa frustrada de Golpe de Estado PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Sáb, 31 de Dezembro de 2011 13:48

O governo e os serviços públicos do Guiné-Bissau voltaram a funcionar normalmente após a tentativa frustada de Golpe de Estado na última segunda-feira (26/12).

“Pessoas estão trabalhando, o transporte público está funcionando, mas ao mesmo tempo há diversas demonstrações ao nível da sociedade civil sobre o acontecimento do dia 26 de dezembro. Também temos partidos políticos se posicionando sobre o acontecido”, afirmou o Porta-voz do Escritório Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS), Vladimir Monteiro.

O UNIOGBIS vem mantendo contato com as autoridades nacionais para buscar uma explicação completa sobre o fracassado Golpe de Estado. Monteiro disse que, de acordo com o governo, um grupo de soldados tentou invadir o quartel-general das forças armadas para apreender armas. A invasão foi acompanhada de ataques ao escritório do Chefe do Estado-Maior.

Oficiais da defesa e segurança responsáveis pela tentativa foram presos e há civis em regime de custódia.

Fonte: ONU Brasil, em 29/12/2011

 
 
Banner
Banner