Home Notícias Internacional O rodízio da fome

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Políticas de austeridade não são a melhor resposta para enfrentar a crise, afirma Dilma

A presidenta Dilma Rousseff afirmou neste sábado (17), em Cádiz, na Espanha, na primeira sessão plenária da XXII Cúpula Ibero-americana, que as políticas de austeridade implementadas por alguns países europeus não são a melhor resposta para enfrentar a crise.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 69 visitantes e 1 membro online
  • rwalervonc
Banner
Banner
O rodízio da fome PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Ter, 10 de Janeiro de 2012 20:29

A exemplo dos racionamentos de energia, com apagões em dias alternados, bairro a bairro, o metabolismo humano no Congo vive também um rodízio ordenado pela escassez de alimentos. O rodízio da fome foi tema de reportagem do New York Times, que mostrou a prática disseminada na vida de um país rico em minérios, que exporta seu subsolo mas é incapaz de investir mais que 1% do orçamento na superfície agricultável.

As lavouras definharam nos últimos anos; a crise e a especulação nos mercados de commodities fizeram o resto. O alimento importado ficou inacessível a uma renda familiar que gira em torno de US$ 50 a US$ 60 mensais. A privação virou rotina familiar: um dia comem os filhos menores; no outro os maiores e os adultos. Na média, metade da população come apenas uma vez ao dia no Congo. E 1/4 dela a cada dois dias.

O Congo é uma lição de como não fazer uma nação soberana. A primeira iniciativa consiste em terceirizar aos 'livres mercados' áreas essenciais, como a agrícola (mas também o crédito, a política industustrial...). Nas últimas décadas, muitos dirigentes de nações pobres seguiram a mesma receita. Recuaram as fronteiras do Estado e delegaram o abastecimento à oferta just-in-time prometida pelos mercados, a um custo inferior ao do investimento em produção própria.

O raciocínio das vantagens comparativas - como se essas fossem um dado exclusivo da natureza, não também da história - parecia lógico: os congoleses são bons em cavocar minérios; os EUA e a Europa são largamente mais eficientes na técnica agrícola. Em vez de redundância, complementariedade. Basta deixar livres os mercados. O jogo da oferta e demanda faz o resto.

O colapso financeiro e a especulação nas bolsas de futuro implodiram a 'harmonia' neoliberal. Cerca de 31 nações pobres vivem hoje no limiar de um estrangulamento alimentar; outras, como a Somália, já desceram ao inferno. As agências das Nações Unidas, sobretudo seu braço para Agricultura e Alimentação, a FAO, necessitariam pelo menos mais US$ 3 bilhões de ajuda internacional por ano para enfrentar o legado da ficção neoliberal e reorganizar a produção agrícola com planos de segurança alimentar regeneradores. Os países ricos desconversam. Não apenas sobre o adicional. Eles congelaram também os aportes à FAO que tem orçamento de US$ 1 bi para acudir um bilhão de famintos. Um dólar per capta ano para a fome e quantitative easing para as finanças desreguladas: é essa chave que liga e desliga o rodízio da fome.

Fonte: Blog das Frases, em 09/01/2012

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner