Home Notícias Internacional Grécia tenta fechar acordo com FMI apesar dos protestos populares

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Lula, na nuvem

Uma nuvem humana acompanha Luiz Inácio Lula da Silva quando ele se locomove. Por vezes, a bruma se adensa, pulsa e canta, emocionada: “Lula, Lula, olê olê olê olá”. O cordão humano abraça também o candidato a prefeito de São Paulo pelo PT, Fernando Haddad, que vem logo atrás dele, rumo ao palanque.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 36 visitantes e 1 membro online
  • Qtesteret33Q322qnew7
Banner
Banner
Grécia tenta fechar acordo com FMI apesar dos protestos populares PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Seg, 06 de Fevereiro de 2012 23:34

O primeiro-ministro grego lutou neste domingo para convencer credores e políticos a assinar o pacote de ajuda de US$ 130 bilhões, depois de seu ministro das Finanças ter dito que faltam apenas algumas horas para que a zona do euro abandone o país com seus próprios problemas.

Grécia
Lucas Papademos tenta fechar acordo com FMI, apesar dos protestos

Um tecnocrata nomeado em novembro, o premiê Lucas Papademos, está tentando assegurar que a Grécia evite afundar em uma catastrófica moratória quando grandes resgates dos títulos da dívida do país ocorrerem, no próximo mês.

O ministro das Finanças afirmou que Atenas só tem até a noite de domingo para conseguir um segundo pacote de auxílio de seus credores, depois que ministros da zona do euro disseram a ele asperamente que estão prontos para abandonar a Grécia se o país não provar que pode realizar difíceis cortes nos gastos.

– Este momento é crucial – afirmou o ministro das Finanças, Evangelos Venizelos, no sábado depois de ter classificado como “muito difícil” uma conferência por telefone com seus colegas europeus.

A primeira missão de Papademos neste domingo é conseguir pelo menos um acordo preliminar com o trio de credores estrangeiros sobre reformas incluídas no pacote, depois que dias de reunião não foram suficientes para resolver o espinhoso assunto do corte de salários e gastos.

Autoridades gregas estão ficando cada vez mais desesperadas a cada rodada de negociações, reclamando que o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional estavam se recusando a ceder quanto às demandas de corte do salário mínimo, dos bônus de férias e demissão de funcionários públicos.

Fonte: Jornal Correio do Brasil, em 05/02/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner