Home Notícias Acontece nos Estados Proposta de hortas comunitárias do Brasil Sem Miséria inspira associação de moradores

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

CUT diz que irá às ruas para defender réus do mensalão

O novo presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, 46, diz que pode levar às ruas a força da maior central sindical do país para defender os réus do mensalão, que começarão a ser julgados pelo Supremo Tribunal Federal em agosto.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 50 visitantes e 2 membros online
  • eentieleon
Banner
Banner
Proposta de hortas comunitárias do Brasil Sem Miséria inspira associação de moradores PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Ter, 06 de Março de 2012 13:56

Davi Lima, 54 anos, é um desses brasileiros que lutam para conseguir se sustentar e ainda encontram tempo para ser voluntários. Formado em Eletrotécnica, estuda Direito, é sócio dos irmãos em uma empresa de construção civil e preside a Associação Comunitária da Santíssima Trindade, na Vila Porto Novo, zona norte de Porto Alegre. Nas horas vagas, este pai de quatro filhos e avô de seis netos também está envolvido com o trabalho de quatro hortas comunitárias ligadas à entidade. Quando começarem a produzir, nos próximos meses, elas deverão ajudar a população em situação de extrema pobreza a enfrentar a insegurança alimentar.

O trabalho de Davi vai ao encontro da proposta do Plano Brasil Sem Miséria, do governo federal, de incentivar a criação de hortas comunitárias em terrenos ociosos nas periferias das grandes cidades. Hoje, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), que coordena o plano, dá apoio técnico e financeiro a 144 municípios em 21 estados, beneficiando cerca de 40 mil famílias. Em 2011, R$ 4,1 milhões foram investidos nessas ações. Neste ano, os recursos previstos somam R$ 10,9 milhões.

O empresário da construção civil decidiu criar as hortas comunitárias no ano passado, depois de ouvir a presidenta Dilma Rousseff e a ministra Tereza Campello dizerem que todos podem contribuir nas ações de combate à extrema pobreza no país. “É possível fazer a diferença”, assinala Davi.

Parceria

Ele próprio comprou as mudas para as hortas. Em janeiro, cerca de 1,2 mil mudas de repolho, alface, beterraba, rabanete, milho e abóbora começaram a ser plantadas. O trabalho tem o apoio de toda a comunidade, tanto na cessão do espaço (os terrenos são particulares) quanto no plantio. A manutenção das hortas também é feita de forma compartilhada.

A estimativa do líder comunitário é que a colheita da primeira safra beneficie de 500 a 600 famílias, que precisarão estar cadastradas na associação para receber os produtos. Davi está negociando parceria com as Centrais de Abastecimento (Ceasa) para o fornecimento de mudas na segunda safra.

A população da vila, calculada em 15 mil pessoas, planeja ainda plantar espécies frutíferas e criar espaços de convívio social. A ideia, ressalta Davi, é que a própria comunidade seja responsável pelo cuidado das árvores e a limpeza do espaço.

Centro

Recentemente, o MDS destinou R$ 900 mil para criação de um Centro de Apoio à Agricultura Urbana e Periurbana no Rio Grande do Sul. A proposta da unidade é incentivar a pequena produção agrícola em hortas comunitárias.

O MDS repassou R$ 720 mil à Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social do Rio Grande do Sul, que dará R$ 180 mil como contrapartida. O estado foi selecionado em edital público lançado em 2011.

“O objetivo do projeto é apoiar atividades agrícolas desenvolvidas nas cidades e nas periferias das metrópoles”, diz a coordenadora-geral de Agricultura Urbana e Periurbana do MDS, Maristela Calvário Pinheiro.

Beneficiários

A previsão é que o centro atenda 321 famílias dos municípios de Porto Alegre, Cachoeirinha, Canoas, Eldorado do Sul, Gravataí, Novo Hamburgo e Viamão. “São agricultores familiares incluídos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e, prioritariamente, beneficiários do Bolsa Família”, acrescenta Maristela.

Os beneficiários recebem capacitação, assistência técnica e insumos. A proposta é fortalecer a agricultura na região, melhorando a qualificação dos agricultores na plantação e comercialização, geralmente feita em feiras populares.

Os alimentos são cultivados de forma comunitária, com uso de tecnologias de base agroecológica, em espaços públicos urbanos e periurbanos ociosos. São hortas, lavouras, viveiros, pomares, canteiros de ervas medicinais, criação de pequenos animais, unidades de processamento e beneficiamento agroalimentar, que estarão em operação, no máximo, até o fim deste ano.

Com isso, ressalta Maristela, os beneficiários terão aumento na oferta de alimentação saudável e em quantidade suficiente e permanente, além da possibilidade de elevar a oferta de trabalho e renda. “Com a parceria, esperamos alcançar as famílias em situação de vulnerabilidade, conforme prevê o Plano Brasil Sem Miséria.”

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social, em 02/03/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner