Home Notícias Acontece nos Estados Inaugurada central comunitária de beneficiamento na Resex rio Unini (AM)

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Congresso aprova LDO que fixa salário mínimo em R$ 667,75 e entra em recesso parlamentar

O Congresso Nacional aprovou ontem o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO-2013) que aumenta a capacidade de investimentos públicos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para o próximo ano, fixados em R$ 45,2 bilhões, mais do que os R$ 44,2 bilhões do orçamento de 2012. Além disso, no texto aprovado, o salário mínimo, atualmente em R$ 622,00, é previsto para R$ 667,75 em 2013. Antes de passar pelo plenário, a LDO foi aprovada pela Comissão Mista de Orçamento (CMO), depois de um acordo entre governo e oposição.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 39 visitantes online
Banner
Banner
Inaugurada central comunitária de beneficiamento na Resex rio Unini (AM) PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Dom, 18 de Março de 2012 00:09

No último dia 3 de março, foi inaugurada a Central Comunitária de Beneficiamento de Castanha da Amazônia da Resex (Reserva Extrativista) Rio Unini, em Barcelos (AM), cerca de 400 quilômetros a noroeste de Manaus.

A edificação conta com uma caldeira industrial, prensas para retirada da casca, estufas para secagem e máquinas para embalagem a vácuo. As instalações permitirão agregação de valor e maior durabilidade do produto. O local fica perto da comunidade do Patauá, na calha do rio Unini.


Central é uma luta de seis anos da comunidade

A castanha é uma das principais fontes de renda na unidade de conservação. Em 2009, a produção chegou a 16 toneladas e foi totalmente vendida in natura para atravessadores.

Foram quase seis anos desde a elaboração do projeto até os testes finais de produção, segundo a FVA (Fundação Vitória Amazônica), responsável pela iniciativa e parceira do ISA na Rede Rio Negro (saiba mais).


Instalações vão permitir agregação de valor e aproximação com mercados de Barcelos e Manaus. Prensas para retirada da casca da castanha na central

Estimulados com a oportunidade, os moradores esperam uma boa safra em 2012 e avaliam ampliar o processo de organização das comunidades por meio de novas iniciativas associativistas. Por ora, trabalham para fortalecer a Amoru (Associação de Moradores do Rio Unini), também responsável pelo projeto.

Os castanheiros do rio Unini já adotam boas práticas de manejo que garantem maior sustentabilidade e qualidade da castanha coletada. Eles vêm selecionando aquelas de melhor qualidade, separando as avariadas ou mofadas, além de secá-las antes do armazenamento, entre outros procedimentos.

Em janeiro deste ano, foi realizada uma experiência de comercialização já com o produto desidratado e embalado a vácuo em Barcelos (AM), durante um festival de peixes ornamentais. Foram comercializados cerca de 40 quilos, o que serviu para divulgação do produto, que deve chegar aos mercados de Barcelos e Manaus ainda este ano.


Comunidade da resex do rio Unini está discutindo novas ações para fortalecer organização local

A Resex rio Unini foi criada por reivindicação dos próprios ribeirinhos, em 2006, com aproximadamente 833 mil hectares, ao lado do Parque Nacional do Jaú. Cerca de 200 famílias moram na área (leia mais).

Visita da primeira dama

No dia anterior à inauguração, o projeto recebeu a visita da primeira dama do Estado, Nejmi Aziz, que prometeu apoiar ações de saúde e educação, ainda muito precárias na região.

Além dos organizadores e apoiadores, estavam presentes na inauguração os membros do conselho diretor da FVA e representantes de parceiros, como o ISA, Idam (Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Amazonas), CEUC (Centro Estadual de Unidades de Conservação do Amazonas), Iteam (Instituto de Terras do Amazonas), Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) e as prefeituras de Novo Airão e Barcelos.

O projeto também é uma iniciativa do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e tem financiamento do Arpa (Programa Áreas Protegidas da Amazônia), Funbio (Fundo Nacional da Biodiversidade), Fundação Moore, BGMF, GIZ (Cooperação Técnica Alemã) e CDH (Conselho de Desenvolvimento Humano do Estado do Amazonas).

Fonte: Instituto Socioambiental, em 15/03/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner