Home Notícias Eleições 2012 Campos sinaliza por candidatura própria do PSB ou apoio a Haddad em SP

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Prévia do PIB: crescimento da economia em junho é o maior em 14 meses

A economia brasileira cresceu mais do que o esperado em junho, indicando que a atividade já estava dando sinais de recuperação. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma espécie de prévia do Produto Interno Bruto (PIB), subiu 0,75% em junho frente a maio. É a maior elevação mensal desde março de 2011 (quando a expansão ficou em 1,47%).

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 30 visitantes e 1 membro online
  • SeoOvase
Banner
Banner
Campos sinaliza por candidatura própria do PSB ou apoio a Haddad em SP PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Qua, 28 de Março de 2012 13:01

O presidente nacional do PSB, governador de Pernambuco, Eduardo Campos, praticamente descartou nesta terça-feira, 27, o apoio do partido a José Serra, candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo. Campos disse que na disputa da prefeitura da capital paulista, considera "mais provável" o PSB lançar candidato próprio. Caso isso não ocorra, ele acredita que a tendência do partido é de se coligar com o candidato do PT, Fernando Haddad.

"Não tendo candidatura própria, o mais provável hoje é que iremos para a aliança que sempre tivemos", afirmou Campos, referindo-se à base de apoio da presidente Dilma Rousseff, da qual faz parte. "Esse é o sentimento que eu acolho. Agora, a decisão só vai vir em junho. Isso está em movimento, está em debate e quem vai decidir tem de levar em conta a situação municipal e nacional", ressaltou.

Eduardo Campos falou no Senado, após solicitar ao presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), que encaminhe em regime de urgência a proposta de liberação do empréstimo do Banco Mundial, no valor de US$ 3,5 bilhões, para Estados da Região Nordeste.

O governador avaliou que a prefeitura de São Paulo, por ser "a mais expressiva cidade do Brasil", tem de ser analisada em todos seus aspectos. "É necessário ouvir o conjunto do partido no País", frisou. "Eu não acho provável que o partido decida nessa direção", reiterou, referindo-se ao apoio a José Serra. "Mas respeito o tempo do debate do município para que, quando (o assunto) chegar à direção geral, eu possa expressar opinião com muita clareza. Não vamos atropelar o debate".

Sobre a conversa que teve com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador disse que não viu o pedido de Lula para que apoie Fernando Haddad como um "apelo", mas sim como um diálogo político. "A palavra de Lula é muito importante para o partido, temos respeito pela sua biografia e pela história que temos juntos". Ele informou que dos 1.200 pré-candidatos do PSB nas eleições municipais, pelos menos 10 dos 15 interessados em disputar as prefeituras de capitais manterão a candidatura até o final.

Fonte: Jornal O Estado de São Paulo (SP), em 27/03/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner