Home Notícias Mídia em Análise Marco Maia questiona: “Por que a revista Veja é contra a CPMI do Cachoeira?”

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Políticas de austeridade não são a melhor resposta para enfrentar a crise, afirma Dilma

A presidenta Dilma Rousseff afirmou neste sábado (17), em Cádiz, na Espanha, na primeira sessão plenária da XXII Cúpula Ibero-americana, que as políticas de austeridade implementadas por alguns países europeus não são a melhor resposta para enfrentar a crise.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 62 visitantes online
Banner
Banner
Marco Maia questiona: “Por que a revista Veja é contra a CPMI do Cachoeira?” PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Qua, 18 de Abril de 2012 00:55

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-SP), publicou nota questionando o motivo de a revista Veja do último final de semana apontar a comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) sobre o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, como uma cortina de fumaça. “Afinal, por que a revista Veja é tão crítica em relação à instalação desta CPMI? Por que a Veja ataca esta CPMI?”, indaga o deputado em nota publicada na noite de domingo (15) na página do PT na internet.

Nota na íntegra em http://www.pt.org.br/noticias/view/marco_maia_por_que_a_veja_e_contra_a_cpmi_do_cachoeira

Maia entende que a reportagem “opinativa” partiu de um “ataque desrespeitoso e grosseiro contra minha pessoa” ao apontá-lo como um dos interessados em transformar a comissão parlamentar em uma estratégia para tirar o foco do julgamento do mensalão, que a mídia tradicional aposta que será realizado neste ano pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

No comunicado, o presidente da Câmara lembra que a decisão de instalação do colegiado foi apoiada de maneira quase unânime pelos partidos com representação no Congresso. “Não é verdadeira, portanto, a tese que a referida matéria tenta construir (de forma arrogante e totalitária) de que esta CPMI seja um ato que vise tão somente confundir a opinião pública”, diz.

Maia lamenta que a revista interprete que a CPMI terá o direito promover uma “caça” a jornalistas que tenham realizado denúncias sobre o envolvimento de políticos com o contraventor, preso no último mês durante a Operação Monte Carlo da Polícia Federal. “Mas posso assegurar que haverá, sim, investigações sobre as graves denúncias de que o contraventor Carlinhos Cachoeira abastecia jornalistas e veículos de imprensa com informações obtidas a partir de um esquema clandestino de arapongagem”, aponta o deputado, em referência às conexões entre o diretor da sucursal de Brasília de Veja, Policarpo Júnior, e a quadrilha de Cachoeira, responsável por informações exclusivas fornecidas ao veículo.

Para o deputado, os métodos “pouco jornalísticos” dos quais se vale a publicação do Grupo Abril são ruins para a consolidação da democracia e para a defesa da liberdade de imprensa. “Por que não investigar possíveis desvios de conduta da imprensa? Vai mal a Veja! Vale lembrar que, há pouco tempo, um importante jornal inglês foi obrigado a fechar as portas por denúncias menos graves do que estas. Isto sem falar na defesa que a matéria da Veja faz da cartilha fascista de que os fins justificam os meios ao defender o uso de meios espúrios para alcançar seus objetivos”, diz o parlamentar.

Fonte: Rede Brasil Atual, em 16/04/2012

 

LEIA TAMBÉM:

Última atualização em Seg, 23 de Abril de 2012 11:14
 
 
Banner
Banner