Home Notícias Debate Petista defende mais participação popular na elaboração das leis

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Ciências Sem Fronteira manda 6,7 mil pesquisadores brasileiros para o exterior

Mais de 6,7 mil brasileiros já foram beneficiados pelo programa Ciências Sem Fronteira, que financia estudos para pesquisadores no exterior. Os dados fazem parte de balanço, divulgado pelo ministro de Educação (MEC), Aloizio Mercadante.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 90 visitantes e 1 membro online
  • WendellJicle
Banner
Banner
Petista defende mais participação popular na elaboração das leis PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Seg, 23 de Abril de 2012 12:56

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) defendeu na tribuna da Câmara, na semana passada, maior participação popular na elaboração das leis do País e mais atenção do Parlamento às demandas da sociedade.

Segundo o parlamentar, apenas a transparência em relação aos gastos e às despesas com dinheiro público não é suficiente para atender o interesse da população. “A sociedade busca acesso à informação sobre os gastos e despesas públicas, o que é altamente positivo. Mas o Parlamento, além de garantir esse controle e fiscalização por parte da sociedade, precisa assegurar mecanismos de participação da sociedade na elaboração das leis do País”, defendeu Pimenta.

Segundo ele, a Constituição de 1988 avançou no sentido de garantir esse direito, ao permitir a apresentação de projetos de lei de iniciativa popular, mediante a coleta de assinaturas de 1% do eleitorado, em pelo menos sete estados. O deputado esclareceu, no entanto, que esse mecanismo precisa ser aperfeiçoado.

“Hoje, todos nós fazemos nossa declaração de Imposto de Renda; movimentamos a nossa conta bancária; e peticionamos o Poder Judiciário pela Internet, mas para a participação do cidadão no processo legislativo ainda é exigido um mecanismo de 1988”, afirmou. Paulo Pimenta defendeu a adoção de um mecanismo que dê condições aos cidadãos apoiar um projeto de lei de iniciativa popular via internet. Para ele, a coleta de assinaturas e o trabalho de conferência manual são ultrapassados e só se justificavam em uma época onde a ferramenta da internet ainda não existia.

CLP

O deputado Paulo Pimenta também ressaltou durante o discurso a necessidade de o parlamento não apenas receber, mas votar as propostas de interesse da população. Segundo ele, alguns passos já foram dados nesse sentido, como a criação da Comissão de Legislação Participativa (CLP), há 11 anos, pela Câmara, permitindo que a sociedade civil encaminhe sugestões de projetos de lei. Ex-presidente do colegiado, o deputado destacou que é necessário aprimorar esse instrumento.

Paulo Pimenta defendeu a aprovação do projeto da “Pauta Digital”. Pela proposta, todo projeto de lei de iniciativa de um parlamentar ou de uma entidade da sociedade civil, via CLP, pode adquirir prioridade de votação no plenário da Câmara. O critério é que a proposta tenha o apoio de 10% dos parlamentares e pelo menos 0,5% do eleitorado nacional, em cinco estados, por meio de manifestação no Portal da Câmara.

Fonte: Agência Informes, em 23/04/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner