Home Notícias Internacional Cúpula termina sem acordo sobre Cuba, drogas ou Malvinas

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Governo prepara incentivo para hotel e linha de crédito para turismo interno

Depois de um ano no cargo, o ministro do Turismo, Gastão Vieira, mudou o discurso inicial, revisou metas e relaxou medidas tomadas no começo de sua gestão para conter irregularidades com o uso do dinheiro público. O desafio, no entanto, continua o mesmo: ele quer despertar o interesse dos brasileiros em conhecer o próprio país e melhorar a qualificação dos trabalhadores.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 75 visitantes e 1 membro online
  • ritaslut
Banner
Banner
Cúpula termina sem acordo sobre Cuba, drogas ou Malvinas PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Sáb, 12 de Maio de 2012 05:56

A 6ª Cúpula das Américas terminou neste domingo em Cartagena, na Colômbia, sem um acordo sobre os temas mais sensíveis discutidos, como a participação de Cuba nos próximos encontros, o pleito argentino pelas ilhas Malvinas e a política antidrogas na região.

Em discurso ao final do evento, o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse que a maioria dos países defendeu que Cuba participe da próxima cúpula, daqui a três anos, no Panamá.

"Pela primeira vez, a maioria de países expressou sua posição dizendo 'nós queremos que Cuba seja parte do processo das Cúpulas (das Américas)'. Isso tem peso político importante, não foi visto antes e deve inciar série de aproximações e pontes que nos permitam, oxalá dentro de três anos, ter Cuba na próxima cúpula."

No entanto, por oposição dos Estados Unidos, o convite à ilha comunista foi vetado. "Infelizmente, em cúpulas que se fazem por consenso, se um país disser não estar de acordo, não pode haver decisão", justificou Santos.

Sobre a polêmica envolvendo as ilhas Malvinas (Falklands, para os britânicos), atualmente sob soberania britânica mas reivindicadas pela Argentina, o colombiano disse que a maioria dos países apoia uma solução pacífica para o impasse, mas não houve um endosso ao pleito argentino.

Nesse caso, segundo diplomatas, além dos Estados Unidos, Canadá e alguns países caribenhos se opuseram a uma declaração favorável à Argentina.

Num sinal de descontentamento com o comunicado final, a presidente argentina, Cristina Kirchner, deixou a cúpula antes do discurso de Santos.

"Ninguém achou que se chegaria a algum acordo sobre Malvinas ou Cuba. Todos sabíamos que não haveria acordo, então não há surpresas negativas", disse Santos, ao responder um jornalista que questionou se a cúpula tinha sido um fracasso.

Discussão como conquista

Sobre a política de combate ao narcotráfico na região, o colombiano afirmou que a Organização dos Estados Americanos (OEA) recebeu a missão de analisar os resultados da atual estratégia antidrogas e explorar novas formas de lidar com o tema.

Também haverá em breve, segundo ele, um encontro entre os chanceleres da região para tratar da questão, uma iniciativa proposta pelo Peru.

Cristina Kirchner. | Foto: AFP
Em sinal de desagravo, presidente argentina deixou a Cúpula mais cedo

Nos últimos dias, Santos e alguns presidentes da América Central defenderam mudar a atual política de drogas da região, atualmente focada na repressão ao tráfico e na criminalização do consumo.

Segundo eles, a postura não está surtindo os efeitos desejados, como atestariam os altos índices de violência relacionada ao tráfico nos países.

Alguns líderes presentes, como o presidente da Guatemala, Otto Pérez Molina, chegaram a se declarar favoráveis à legalização de algumas drogas. Mas os Estados Unidos se opõem radicalmente à medida.

Embora não tenha havido consenso sobre os temas sensíveis, o presidente colombiano disse que a simples discussão desses assuntos foi uma conquista, já que, segundo ele, eles jamais haviam sido abordados nos encontros anteriores.

"Havia problemas e temas que ninguém se atrevia a pôr na mesa. Creio que a grande diferença (deste encontro) foi que todos temas foram postos na mesa e discutidos."

Sem chegar a um consenso nos temas sensíveis, os países reunidos expressaram um conjunto de intenções, entre os quais trabalhar pelo sucesso da Rio+20 (Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável no Rio, em junho), combater o crime organizado internacional, investir na prevenção de desastres naturais e erradicar a pobreza na região.

Presente na cúpula, a presidente Dilma Rousseff regressou ao Brasil pouco após o discurso de Santos. Ela não falou à imprensa durante todo o evento.

Fonte: BBC Brasil, em 15/04/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner