Home Notícias Internacional Vitória do Obamacare

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Lula, na nuvem

Uma nuvem humana acompanha Luiz Inácio Lula da Silva quando ele se locomove. Por vezes, a bruma se adensa, pulsa e canta, emocionada: “Lula, Lula, olê olê olê olá”. O cordão humano abraça também o candidato a prefeito de São Paulo pelo PT, Fernando Haddad, que vem logo atrás dele, rumo ao palanque.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 72 visitantes e 1 membro online
  • ritaslut
Banner
Banner
Vitória do Obamacare PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Dom, 01 de Julho de 2012 18:50

Desde os primeiros dias de seu governo, o presidente Barack Obama vem encontrando cerrada oposição do Partido Republicano. Inspirado pelo movimento Tea Party, que representa o que pode haver de mais reacionário nos Estados Unidos, e com forte apoio do canal Fox, do oligarca Rupert Murdoch, os republicanos tem procurado obstruir tudo o que Barack Obama tenta fazer.

Talvez nada represente melhor o confronto entre Democratas e Republicanos do que o plano de Reforma dos Serviços de Saúde (Health Care Reform) proposto por Barack Obama e aprovado, debaixo de grandes debates, pelo Congresso em 2010.

O plano procura basicamente assegurar acesso a quase 50 milhões de americanos que vivem à margem do sistema de saúde, numa vergonha para o supostamente país mais rico do mundo. Muitas administrações democratas vem tentando acabar com tal escândalo, desde os tempos de Franklin Delano Rossovelt e - mais recentemente e notavalmente - de Bill Clinton, e sempre fracassaram.

Até um presidente republicano, Richard Nixon, se mostrou favorável a uma reforma, mas mesmo assim foi derrotado pelo lobby das companhias de seguro e algumas associações médicas.

A alegação era sempre a mesma: SOCIALISMO.

Sem condições de aprovar um National Health Service, como existe, por exemplo, no Reino Unido (um país conservador), o jeito de Barack Obama foi criar o que se chama “individual mandate”. Em suma, uma obrigação de todos os americanos comprarem um seguro de saúde, sob pena de pagarem uma multa, se não o fizerem.

A lógica atrás da ideia era simples: se todos compram um produto, ele fica mais barato. Contra tal lógica se levantaram juristas da direita, argumentando que, de acordo com a Constituição Americana, o governo federal não pode obrigar ninguém a comprar um determinado produto ou mercadoria.

- O governo não pode nos obrigar a comprar brócoli – bradou o juiz conservador da Suprema Corte, Antonin Scalia, numa frase que ficou famosa e passou a ser adotada como grito de guerra, mas que no fundo era ridícula. (Nos Estados Unidos, os governos estaduais podem obrigar os proprietários de carro a terem seguro.)

Mesmo esta questão de seguro contra acidentes para veículos é nebulosa, pois o Governo Federal, por exemplo, tem o mandato para regular o Comércio Interestadual, o que lhe dá também o direito de regular o tráfego de caminhões que transportam mercadorias entre os estados e – teoricamente – pode exigir que todos tenham seguro, mesmo nos Estados (poucos) em que ele não é requerido.

Dentro de um clima de imenso passionalismo, o presidente da Suprema Corte, John Roberts, nomeado por George W. Bush, e muito conservador, acabou dando o voto decisivo para aprovar o Obamacare por 5 a 4. Sua razão, embora ainda não tornada pública, parece ter sido a de que considera o Obamacare não um mandato, mas um imposto – algo que pode ser regulado pelo Governo Federal.

O bom senso falou mais alto. Veremos em breve como a vitória de Obama se refletirá em sua campanha eleitoral. Minha impressão é de que se refletirá de maneira favorável.

Fonte: Direto da Redação, em 28/06/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner