Home Notícias Desenvolvimento Social Experiência do Programa de Aquisição de Alimentos vai a cinco países africanos

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Brasil e UE farão reunião técnica em outubro

A presidente Dilma Rousseff deu um empurrão nas negociações de livre comércio entre o Brasil e a União Europeia, em uma reunião de cerca de duas horas com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso. Ambos estão em Nova York para participar da assembleia anual das Nações Unidas, que será aberta hoje.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 68 visitantes online
Banner
Banner
Experiência do Programa de Aquisição de Alimentos vai a cinco países africanos PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Ter, 03 de Julho de 2012 02:32

As parcerias entre governos, sociedade civil organizada e agências internacionais são essenciais para o sucesso das cooperações internacionais. A constatação foi feita na mesa de abertura do seminário internacional PAA-África, nesta segunda-feira (2), no Palácio do Itamaraty, em Brasília. O evento marca o lançamento oficial do ciclo de trocas de experiências entre o Brasil e cinco países africanos (Etiópia, Malauí, Moçambique, Níger e Senegal) interessados em formular suas próprias políticas de compra de alimentos – aliadas ao desenvolvimento da agricultura familiar e ao acesso a alimentos.

Para a secretária nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Maya Takagi, o diálogo permanente com os agricultores familiares é um dos diferenciais da política pública brasileira para o setor. “Os governos não podem estar em todos os lugares e os movimentos sociais no campo trazem demandas que aperfeiçoam as políticas. Eles fazem com que ela chegue aonde é necessária. Fazem a diferença para o bem.”

O coordenador-geral de Ações Internacionais para o Combate à Fome do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Milton Rondó, enfatizou a importância do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) como instrumento de participação popular no desenho das políticas públicas. Rondó informou que há estudos entre agências internacionais e o governo brasileiro para levar a experiência do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) para os campos de refugiados de guerra. “Temos um projeto piloto no Quênia e acreditamos que o PAA possa ser uma forma de diminuição de conflitos.”

O representante no Brasil da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Helder Muteia, defendeu a participação da sociedade civil na elaboração das políticas públicas e indicou o Consea como exemplo virtuoso dessa ação. “É uma das maiores iniciativas que o Brasil pode oferecer. Tem que ser levada à realidade africana.”

Já o representante no Brasil do Programa Mundial de Alimentos (PMA), Daniel Balaban, afirmou que o momento é propício para o compartilhamento de informações sobre segurança alimentar e nutricional. Além disso, segundo Balaban, os países africanos estão comprometidos com o êxito dessas políticas. “Este é um momento inédito. Os governos estão interessados em fazer dar certo.”

Representando o Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (Dfid) no Brasil, Daniel Bradley enfatizou que o Brasil não é um doador de receitas prontas para aplicar nos países africanos. “Falamos em parcerias, em trabalhar em conjunto. O Brasil não quer impor seu sistema de segurança alimentar, mas reconhecemos que o país tem políticas públicas interessantes a mostrar.”

Programa

O PAA promove o acesso a alimentos às populações em situação de insegurança alimentar e fomenta a inclusão social e econômica no campo, por meio do fortalecimento da agricultura familiar. Contribui para a formação de estoques estratégicos e para o abastecimento de instituições de assistência social. Permite ainda aos agricultores familiares estocar produtos a serem comercializados a preços justos.

O PAA-África será desenvolvido no Níger, em Maluí, Moçambique, no Senegal e na Etiópia. A proposta é que cada um elabore um projeto com base na experiência brasileira. Para isso, a FAO contratou consultores para fazer o diagnóstico de cada país e auxiliar no desenho de um projeto piloto de compras governamentais de alimentos. O investimento do programa é de US$ 2 milhões.

Desafios

Segundo o governo de Moçambique, o país tem zonas de produção de alimentos, mas é recorrente encontrar pessoas com graves deficiências alimentares e nutricionais. Há problemas de acesso à produção e de educação deficitária – mais da metade dos agricultores familiares são analfabetos.

Para o Níger, a estiagem é decisiva na produção de alimentos. Localizado em região desértica, o país tem apenas três meses de chuvas por ano. O governo local identifica a necessidade de reduzir os impactos das mudanças climáticas para aproveitar melhor as riquezas naturais.

Já o Senegal convive com 52% de sua população pobre vivendo em áreas rurais. Além disso, deve fortalecer a intersetorialidade entre os órgãos governamentais e a parceria entre os setores público e privado, para aprimorar o acesso dos agricultores familiares aos mercados consumidores.

O governo etíope identifica as mudanças climáticas como desafio ao setor agrícola, com forte ação de pragas sobre as plantações. O acesso aos mercados também foi apontado como desafio para o projeto piloto. A agricultura desempenha papel fundamental na economia do país – é responsável por 80% dos empregos formais.

O evento em Brasília vai até terça-feira (3), com palestras e grupos de trabalho. De quarta (4) a sexta-feira (6), as delegações farão visita de campo ao município de Arapiraca, em Alagoas. Lá, conhecerão in loco o PAA.

O seminário PAA-África é promovido pelo MDS, MRE, PMA e a FAO, com apoio do Dfid.

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, em 02/07/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner