Home Desgoverno da Oposição Modus Operandi Tigrão sai da CPI, do PSDB e pode ser investigado

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Brasil e UE farão reunião técnica em outubro

A presidente Dilma Rousseff deu um empurrão nas negociações de livre comércio entre o Brasil e a União Europeia, em uma reunião de cerca de duas horas com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso. Ambos estão em Nova York para participar da assembleia anual das Nações Unidas, que será aberta hoje.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 71 visitantes online
Banner
Banner
Tigrão sai da CPI, do PSDB e pode ser investigado PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Ter, 10 de Julho de 2012 20:43

Quando a CPI do caso Cachoeira foi instalada, o deputado Fernando Francischini (PSDB/PR) prometia ser uma das estrelas do espetáculo. Midiático, ele ameaçava até prender o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz. Uma de suas frases ficou marcada. Numa discussão, acusou o relator Odair Cunha (PT-MG) de ser “tigrão” contra Marconi Perillo, do PSDB, e “tchutchuca” contra Agnelo, do PT.

Tigrão sai da CPI, do PSDB e pode ser investigado

Com o andar da carruagem, Francischini perdeu espaço na CPI. E, agora, o pitbull da oposição será expelido da comissão pelo próprio PSDB. O comando tucano decidiu substituí-lo pelo suplente Domingos Sávio (PSDB-MG), que é ligado ao senador mineiro Aécio Neves (PSDB-MG).

Oficialmente, Francischini deixa o posto devido a questões da política local, no Paraná, seu estado de origem. Ex-aliado do governador Beto Richa, Francischini rompeu com os tucanos em razão da aliança formada na disputa à prefeitura de Curitiba. Beto apoia o atual prefeito Luciano Ducci, do PSB, e indicou como vice o deputado Rubens Bueno, líder do PPS. Neste arranjo, os tucanos foram relegados a segundo plano na formação da chapa, o que irritou Francischini – o deputado tigrão, que é também delegado da Polícia Federal, deve se transferir para o nanico Partido Ecológico Nacional, o PEN.

Os tucanos, no entanto, têm outra razão para afastar Francischini da CPI. É que o deputado, que sonhava em transferir seu domicílio eleitoral para Brasília e concorrer ao governo do Distrito Federal em 2014, também se relacionou com integrantes da quadrilha de Carlos Cachoeira. Grampos da Operação Monte Carlo, com conversas entre Dadá e Cachoeira, indicam que Francischini pilotava uma trama que poderia levar ao impeachment de Agnelo Queiroz, que seria acusado de montar uma central de grampos no Palácio do Buriti. Até mesmo o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, seria envolvido na conspiração (leia mais aqui).

Fonte: Brasil 247, em 09/07/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner