Home Notícias Infraestrutura EPE prevê investimento de R$ 1 trilhão até 2021

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Governo desonera folha de pagamento de mais 25 setores da economia

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou hoje (13) que 25 setores da economia serão beneficiados com desoneração da folha de pagamento, além dos 20 para os quais o incentivo foi concedido este ano. O benefício levará a renúncia fiscal de R$ 60 bilhões na arrecadação nos próximos quatro anos. Para 2013, a previsão é R$ 12,83 bilhões.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 54 visitantes online
Banner
Banner
EPE prevê investimento de R$ 1 trilhão até 2021 PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Ter, 25 de Setembro de 2012 10:29

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) prevê investimentos de R$ 1,097 trilhão no setor de energia brasileiro até 2021. Os dados constam da minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2021), colocada em consulta pública ontem. A EPE estima que o setor de energia elétrica será responsável por R$ 269 bilhões desse total, sendo R$ 213 bilhões em geração e R$ 56 bilhões em transmissão.

A maior fatia deverá ficar, segundo a EPE, com o setor de petróleo e gás natural, com R$ 749 bilhões. Só o segmento de exploração e produção responderá por R$ 547 bilhões, seguido pelo refino e infraestrutura de transporte, com R$ 198 bilhões. A oferta de gás natural deverá receber outros R$ 4 bilhões.

A oferta de biocombustíveis líquidos deverá receber, até 2021, outros R$ 79 bilhões, sendo R$ 71 bilhões para as usinas produtoras de etanol, R$ 7 bilhões para a infraestrutura dutoviária e portuária e R$ 1 bilhão para as usinas de produção de biodiesel.

A minuta traz ainda a estimativa de que a capacidade de geração elétrica crescerá 57% até 2021, passando de 116,5 gigawatts (GW), no ano passado, para 182,4 GW. Pela projeção da EPE, o incremento na geração será maior, de 34,9 GW, até 2016. Entre 2017 e 2021 serão outros 31 GW. A energia hidráulica vai ter o maior peso nesse aumento do parque de geração conectado ao Sistema Interligado Nacional (SIN), com 33,2 GW, atingindo o total de 116,8 GW de capacidade instalada em 2021. A seguir virão, pelas estimativas da EPE, a energia eólica, com 14,2 GW de aumento no parque de geração; a energia térmica, com 8,9 GW; a biomassa, com 5,7 GW; as pequenas centrais hidrelétricas, com 2,5 GW; e as usinas nucleares, com 1,4 GW.

O documento colocado ontem em consulta pública mostra ainda que a participação das fontes renováveis na matriz energética brasileira saltará dos atuais 43,1% para 45% em 2021.

A EPE ressalta que o crescimento da fatia das fontes renováveis será liderado pela expansão da oferta de derivados de cana-de-açúcar, que passarão de 16,4% para 21,2% da matriz energética entre 2011 e 2021.

Entre os combustíveis fósseis, a participação de petróleo e derivados na matriz cairá de 38,5% para 31,9%. O segmento de gás natural representará 15,5% da oferta de energia do país em 2021, frente aos 11% atuais.

Já a oferta de carvão mineral e derivados permanecerá com uma participação de 6,1% ao longo dos próximos dez anos, segundo a EPE.

As projeções da EPE levam em conta um crescimento do consumo de energia de 4,7% ao ano até 2021. A previsão foi feita baseada em uma estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,7% ao ano até 2021.

Fonte: Valor Econômico, em 25/09/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner