Home Notícias Governo Dilma Brasil e UE farão reunião técnica em outubro

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Luiz Dulci: Ampliação da participação social foi maior legado de governo democrático e popular

Na abertura da mesa, o presidente da Central, Artur Henrique, e o ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência da República e Diretor do Instituto Lula, Luiz Dulci, fizeram um balanço dos governos populares de Lula e Dilma em contraposição ao período neoliberal que os antecedeu.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 32 visitantes online
Banner
Banner
Brasil e UE farão reunião técnica em outubro PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Ter, 25 de Setembro de 2012 10:35

A presidente Dilma Rousseff deu um empurrão nas negociações de livre comércio entre o Brasil e a União Europeia, em uma reunião de cerca de duas horas com o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso. Ambos estão em Nova York para participar da assembleia anual das Nações Unidas, que será aberta hoje.

Foi confirmada uma reunião técnica para outubro, em que os dois lados vão começar a avaliar caminhos para um possível acordo entre os blocos econômicos do Mercosul e da UE. "Há o interesse em aumentar o comércio, examinar a integração maior das cadeias produtivas", disse o ministro de Relações Exteriores, Antônio Patriota, ao fim da reunião.

A expectativa é que, na reunião técnica, sejam feitas as primeiras discussões sobre a lista de ofertas dos dois blocos econômicos. Em janeiro, Durão deverá participar no Brasil de uma reunião de cúpula entre Brasil e União Europeia. Fonte do Palácio do Planalto disse que a iniciativa de pedir a reunião com Dilma foi da UE.

Em relação à compra de 36 novos caças para a FAB, Dilma pretende esperar até meados de 2013 para tomar uma decisão, disseram duas fontes oficiais à agência "Reuters". A presidente deve falar com Barack Obama sobre o adiamento durante possível encontro nesta semana na ONU. O Brasil pretende gastar pelo menos US$ 4 bilhões na aquisição dos caças. Os concorrentes são Boeing, Dassault e Saab.

Fonte: Valor Econômico, em 25/09/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner