Home Notícias Desenvolvimento Social Pnad comprova que país cresce com inclusão social, diz Tereza Campello

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Governo prepara incentivo para hotel e linha de crédito para turismo interno

Depois de um ano no cargo, o ministro do Turismo, Gastão Vieira, mudou o discurso inicial, revisou metas e relaxou medidas tomadas no começo de sua gestão para conter irregularidades com o uso do dinheiro público. O desafio, no entanto, continua o mesmo: ele quer despertar o interesse dos brasileiros em conhecer o próprio país e melhorar a qualificação dos trabalhadores.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 62 visitantes online
Banner
Banner
Pnad comprova que país cresce com inclusão social, diz Tereza Campello PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Ter, 25 de Setembro de 2012 10:53

A queda da desigualdade e o maior crescimento da renda entre os mais pobres foram os principais resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2011, avalia a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello. Para ela, os dados divulgados nesta sexta-feira (21) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reforçam que o Brasil está no caminho certo ao optar por um modelo de desenvolvimento que concilia crescimento e inclusão social.


Resultado da Pnad mostra que brasileiro melhorou condições de vida com crescimento econômico

A renda dos 10% mais pobres da população aumentou 29,2%. De modo geral, houve redução no crescimento do rendimento conforme seu valor aumentava. Com isso, o Índice de Gini para os rendimentos de trabalho recuou de 0,518 em 2009 para 0,501 em 2011 (quanto mais próximo de zero, menor é a concentração de renda). “A desigualdade de renda entre ricos e pobres tem diminuído de forma sistemática na última década e, com ela, as desigualdades regionais”, aponta a ministra.

O rendimento do trabalho aumentou especialmente no Nordeste (10,7%), região que concentra o maior número de famílias beneficiárias de programas de transferência de renda. “A Pnad ajuda a comprovar que a população pobre trabalha e quer melhores oportunidades. O efeito ‘preguiça’ atribuído ao Bolsa Família é mito”, reforça Tereza Campello.

Trabalho infantil

O trabalho infantil diminuiu em todas as faixas etárias (5 a 17 anos), em todas as regiões e em números absolutos, destaca a ministra. A queda mais expressiva foi entre crianças de 5 a 9 anos, da ordem de quase 30%. Nos últimos dois anos, quase 600 mil crianças e jovens deixaram de trabalhar.

Ela também destacou a queda na taxa de analfabetismo, de 11,3% (de 9,7% em 2009 para 8,6% em 2011). Um milhão e 200 mil brasileiros se alfabetizaram nos últimos dois anos. “O aumento da escolaridade é fundamental para superarmos a miséria. Quase 26% dos extremamente pobres são analfabetos.”

A Pnad mostra que 98,2% das crianças entre 6 e 14 anos estão na escola. Para a ministra, o Bolsa Família, ao exigir a frequência escolar, contribui para elevar a taxa de escolarização. “Hoje, acompanhamos a frequência escolar de quase 16 milhões de crianças e jovens em todo o Brasil.”

Mais avanços

A ministra lembra que os resultados da Pnad são do ano passado. “Hoje, podemos afirmar com certeza que os dados de 2012 já são melhores.” Somente com o Brasil Carinhoso foi possível reduzir em 40% a extrema pobreza no país. Entre as crianças de até 6 anos, o impacto foi ainda maior: 62% saíram da miséria. “O Brasil mostra ao mundo que é possível crescer e incluir ao mesmo tempo e que a inclusão dos mais pobres contribui para o crescimento do país.”

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, em 21/09/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner