Home Notícias Governo Dilma Políticas de austeridade não são a melhor resposta para enfrentar a crise, afirma Dilma

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Prévia do PIB: crescimento da economia em junho é o maior em 14 meses

A economia brasileira cresceu mais do que o esperado em junho, indicando que a atividade já estava dando sinais de recuperação. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma espécie de prévia do Produto Interno Bruto (PIB), subiu 0,75% em junho frente a maio. É a maior elevação mensal desde março de 2011 (quando a expansão ficou em 1,47%).

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 17 visitantes e 2 membros online
  • eezehnderrichi
Banner
Banner
Políticas de austeridade não são a melhor resposta para enfrentar a crise, afirma Dilma PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Dom, 18 de Novembro de 2012 22:45

A presidenta Dilma Rousseff afirmou neste sábado (17), em Cádiz, na Espanha, na primeira sessão plenária da XXII Cúpula Ibero-americana, que as políticas de austeridade implementadas por alguns países europeus não são a melhor resposta para enfrentar a crise.


Presidenta Dilma Rousseff discursa durante primeira sessão plenária da
XXII Cúpula Ibero-Americana, em Cádiz, na Espanha. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
“A crise financeira, que hoje afeta a Europa, golpeia de forma particular a península ibérica (…) Temos assistido, nos últimos anos, aos enormes sacrifícios por parte das populações dos países que estão mergulhados na crise. Reduções de salários, desemprego, perda de benefícios. As políticas exclusivas de austeridade vem mostrando seus limites: em virtude do baixo crescimento, e apesar do austero corte de gastos, assistimos ao crescimento dos deficits fiscais”, disse.

No discurso, a presidenta afirmou que o Brasil vem defendendo, inclusive no âmbito do G20, que a consolidação fiscal exagerada não é a melhor resposta para a crise mundial – e pode, inclusive, agravá-la, causando recessão. Segundo ela, sem crescimento será muito difícil a consolidação fiscal e os ajustes serão cada vez mais onerosos do ponto de vista político e social.

“O que temos visto são medidas que, apesar de afastarem o risco de uma quebra financeira, não afastam a desconfiança dos mercados e, mais importante ainda, não afastam a desconfiança das populações. Confiança não se constrói apenas com sacrifícios. É preciso que a estratégia adotada mostre resultados concretos para as pessoas, apresente um horizonte de esperança e não apenas a perspectiva de mais anos de sofrimento”, afirmou.

A presidenta disse aos chefes de Estado e de governo presentes ao encontro que o panorama internacional de hoje é distinto daquele de 1991, quando as nações ibero-americanas se reuniram pela primeira vez, em Guadalajara, no México. Dilma lembrou que naquele período a América Latina ainda vivia as consequências da Crise da Dívida e, ao implementar políticas recomendadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), não conseguia crescer.

“Levamos assim duas décadas de ajuste fiscal rigoroso tentando digerir a crise da dívida soberana e bancária e, por isso, neste período, o Brasil estagnou, deixou de crescer e tornou-se um exemplo de desigualdade social. Nossos esforços só resultaram em solução quando voltamos a crescer (…) Hoje, não só o Brasil, mas toda a América Latina, dá demonstrações de dinamismo econômico, de vigor democrático, de maior equanimidade social, graças às políticas que privilegiaram o crescimento econômico com inclusão social”.

Fonte: Blog do Planalto, em 17/11/2012

 

LEIA TAMBÉM:

Última atualização em Dom, 18 de Novembro de 2012 23:02
 
 
Banner
Banner