Home Notícias Governo Dilma Dilma, La Fuerte

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Fundação Palmares e Ministério das Relações Exteriores lançam o Edital Conexão Brasil-África

“A partir de hoje, a sociedade civil brasileira estará mais próxima do continente que nos deu o sentido de brasilidade e de nação”. Foi com essa afirmação que o presidente da Fundação Cultural Palmares (FCP), Eloi Ferreira de Araujo, deu início à cerimônia de assinatura do Protocolo de Intenções e Programa de Parceria: Cooperação Sul-Sul Conexão Brasil-África, firmado entre a Palmares e a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE).

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 51 visitantes e 1 membro online
  • eezehnderrichi
Banner
Banner
Dilma, La Fuerte PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Dom, 18 de Novembro de 2012 23:05

Não resta a menor dúvida: a presidente Dilma Rousseff foi a grande estrela da Cúpula Ibero Americana, realizada em Cádiz, na Espanha. Neste domingo, o jornal El Pais, maior diário espanhol, dedica uma página inteira à líder política que a publicação qualifica como "Dilma, la fuerte". E o relato foi feito por ninguém menos que Juan Luís Cebrián, presidente do grupo Prisa, que edita o El Pais (leia aqui a íntegra em espanhol).

O espaço dedicado a Dilma no El Pais é um retrato dos novos tempos. Até recentemente, a Espanha e suas empresas miravam o Brasil como um território a mais na sua reconquista da América Latina. E companhias ibéricas, como o Santander, a Telefônica e a Iberdrola, foram os grandes atores da privatização de setores como o financeiro, o de telecomunicações e o de energia no Brasil. Hoje, a Espanha está mergulhada em profunda recessão, com mais de 25% da população desempregada, e pede ajuda ao Brasil para que invista no outro lado do Atlântico e para que conceda vistos a profissionais qualificados.

Dilma, "la fuerte", é, portanto, uma das esperanças de salvação do governo espanhol. Ao editor Cebrián, a presidente brasileira enviou mensagens importantes sobre como enfrentar a crise. "O problema europeu não é seu estado de bem-estar social, mas sim o fato de terem aplicado soluções inadequadas contra a crise, que resultaram num empobrecimento da classe média", disse Dilma. "Se continuarem assim, vocês produzirão uma recessão generalizada".

A presidente lembrou que o Brasil incorreu no mesmo erro. "Nós vivemos isso. O Fundo Monetário Internacional nos impôs um processo que chamaram de ajuste e agora definem como austeridade. Era preciso cortar todos os gastos, tanto correntes como de investimento. Esse processo gerou a quebra de praticamente toda a América Latina na década de 80".

Cebrián destacou em seu texto que Dilma é hoje considerada uma das três mulheres mais poderosas do mundo, ao lado de Hillary Clinton, secretária de Estado dos Estados Unidos, e Angela Merkel, chanceler alemã. Como Hillary deixa o cargo no fim do ano, restam duas: Dilma e Merkel, que apontam visões distintas sobre como enfrentar a crise. Enquanto a alemã simboliza a austeridade, Dilma defende políticas contracíclicas, como tem sido feito no Brasil desde 2008.

A presidente brasileira afirmou ao jornalista espanhol que expôs seus pontos de vista à chanceler alemã. "Disse em todas as reuniões do G20 que a Europa passa por algo que já experimentamos na América Latina. Há uma crise fiscal, uma crise de competitividade e uma crise bancária. E as receitas aplicadas estão causando uma recessão brutal. Sem investimento, será impossível sair dela", disse. "É preciso pagar as dívidas, mas também é preciso tempo para que os países o façam em condições sociais menos adversas; não apenas por razões éticas, mas também econômicas."

Dilma disse ainda que o euro é um projeto inacabado, apontando o que talvez seja a saída para a Espanha – uma autonomia monetária maior, que permita ao país maior flexibilidade para enfrentar a maior recessão de sua história. Ela disse ainda que "distribuir renda é uma exigência moral, mas também uma premissa para o crescimento."

O fato incontestável é que o Brasil passou a ser ouvido com respeito cada vez maior dos interlocutores internacionais. Dilma é chamada de "la fuerte" sobretudo porque o Brasil também apresenta hoje uma boa solidez econômica.

Fonte: Brasil 247, em 18/11/2012

 

LEIA TAMBÉM:

 
 
Banner
Banner