Home Governo Lula O que rolava País tem mais hospitais, equipamentos e médicos

Mídias Sociais

Facebook Twitter RSS Feed 

Newsflash

Revitalização da indústria naval desperta interesse mundial

A indústria naval do mundo inteiro e os fabricantes de equipamentos para o setor acompanham com interesse o mercado que mais tem se desenvolvido nos últimos anos, tanto na construção de navios como nas encomendas de sondas e plataformas para exploração marítima de petróleo, na camada pré-sal.

Leia mais...
Follow us on Twitter

Quem está on-line

Nós temos 61 visitantes e 1 membro online
  • Andrelwon
Banner
Banner
País tem mais hospitais, equipamentos e médicos PDF Imprimir E-mail
Escrito por Marcio Leal   
Sáb, 20 de Novembro de 2010 17:40

Os estabelecimentos de saúde aumentaram de 65 mil, em 2002, para 94 mil em 2009, de acordo com dados da Pesquisa de Assistência Médico-Sanitária (AMS) 2009, divulgada nesta sexta-feira (19), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Das 52 mil unidades públicas em atividade, 95,6% são municipais, 1,8% federais e 2,5% estaduais. Já entre os 42 mil estabelecimentos privados de saúde, 90,6% tem fins lucrativos, contra 87,9% em 2005. Já os estabelecimentos com vínculo com o Sistema Único de Saúde (SUS) que, em 2005, representavam 30,6% dos particulares, passaram para 27,1% em 2009.

O estudo avaliou os estabelecimentos de saúde, públicos e privados, de todo o país, para traçar um perfil da oferta dos serviços na área. Os serviços mais ofertados são análises clínicas, fisioterapia, eletrocardiografia, ultrassonografia e radiologia médica. Entre os serviços com menor oferta no país, estão radioimunoensaio, radioterapia, cintilografia, litotripsia e hemodinâmica.

Redução de leitos

O levantamento também mostra que nos últimos quatro anos o Brasil perdeu 11.214 leitos hospitalares. Pelos dados, o déficit está concentrado na rede privada de saúde, que diminuiu sua oferta de 294 mil para 279 mil leitos. Já os postos de trabalho de nível superior na área da Saúde cresceram 26,9% entre 2005 e 2009 (de 870,4 mil para 1,1 milhão). Aumento que foi mais acentuado no Norte (42%). Nas demais regiões, o crescimento ficou entre 21,8% e 28,3%. Também houve ampliação na oferta de equipamentos hospitalares, como mamógrafos, tomógrafos e ultrassom, em todo o país, entre os anos de 2005 e 2009. No caso do procedimento de ressonância magnética, o número de estabelecimentos que oferecem o serviço mais que dobrou neste período, tendo passado de 415 para 848 unidades de saúde, crescimento de 118,4%.

236 mil agentes

Os números refletem uma política pública bem sucedida no setor. O governo federal mantém hoje 236 mil agentes comunitários de Saúde em 5,3 mil municípios, atendendo cerca de 61% da população brasileira (115 milhões de pessoas). Mais de 377 unidades de pronto atendimento (UPA´s) foram instaladas em 323 cidades, além de 2,1 mil Unidades Básicas de Saúde.

Nos últimos sete anos, foram credenciados pelo Sistema Único de Saúde mais 6,3 mil leitos de UTI, chegando a 17,2 mil leitos em abril de 2010. O Samu conta hoje com 2,1 mil ambulâncias para atender 1,2 mil municípios, com cobertura de 106 milhões de pessoas. A meta, até o fim de 2010, é que a frota do Samu chegue a 3,8 mil veículos, entre ambulâncias, motos e lanchas.

Fonte: Brasília Confidencial, em 20/11/2010

 
 
Banner
Banner